Snapchat: Conheça a startup que recusou oferta de 3 bilhões de dólares do Facebook

O serviço dispõe de aplicativos para dispositivos que rodam o sistema operacional iOS ou Android e permite compartilhar fotos e vídeos entre os usuários que se auto destroem em 10 segundos.

snapchat

Publicado em 19 de novembro de 2013 / Arquitetura da Informação, Mobile, News, Tecnologia da Informação

A startup Snapchat, com dois anos de vida foi fundada por um estudante da universidade Stanford, Evan Spiegel tem 23 anos e virou notícia no mundo da tecnologia após recusar oferta de compra pelo Facebook no valor de 3 bilhões de dólares.

Alguns acham que foi uma decisão inteligente, enquanto outros acreditam que a empresa devia ter aceitado a proposta.

Mas o que é o Snapchat?

O serviço dispõe de aplicativos para dispositivos que rodam o sistema operacional iOS ou Android e permite compartilhar fotos e vídeos entre os usuários, mas com um detalhe: o que é compartilhado se destrói automaticamente em até 10 segundos.

A imagem ou vídeo é apagada assim que o contador chega a zero ou, no caso do recurso Stories, o tempo de vida pode ser de até 24 horas. Após esse intervalo, não há mais como recuperar o que foi compartilhado entre as partes.

Os vídeos podem ter até 10 segundos de duração e os usuários podem fazer anotações ou rabiscos numa foto antes de enviar.

Apesar de ser possível tornar os perfis públicos e compartilhar tudo para que todos vejam, a maioria usa o serviço de modo privado.Provavelmente por ter sido esse o principal motivo para começar a usar o Snapchat: capacidade de compartilhar coisas com tempo de vida curtíssimo, evitando deixar rastros.

E se o destinatário ousar fazer uma captura de tela, o remetente é informado.

Quando o serviço chegou à App Store da Apple pela primeira vez, era usado inicialmente para troca de fotos e vídeos de cunho sexual, mas com a crescente popularização, tornou-se ferramenta para compartilhar momentos bobos do cotidiano.

Ainda é cedo para dizer se o Snapchat vai figurar no time de gigantes do Vale do Silício, como o próprio Facebook, o Twitter e o LinkedIn ou se vai acabar sucumbindo e caindo no esquecimento.

Por oferecer um serviço inédito entre as demais redes sociais, talvez isso mantenha o vento soprando a favor do Snapchat por um tempo.

Fonte: Canaltech



0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Postagens relacionadas